Parceireria
HomeSaúdeAbertura de novos leitos de UTI nos hospitais

Abertura de novos leitos de UTI nos hospitais

Dados alarmantes e falta de leitos de terapia intensiva

Com o aumento do número de casos causado pela pandemia covid-19, hoje pela manhã (23) na sede da Associação dos Municípios da Região Carbonífera (AMREC) estiveram reunidos técnicos e gestores em saúde da esfera municipal e estadual para deliberar novas medidas de enfrentamento ao Covid-19

O Estado sofreu nas últimas semanas, um aumento expressivo dos números de casos, e a região da AMREC, que está em situação grave (laranja) na divulgação da última matriz de risco divulgado no último sábado (20/02), deve passar a gravíssima (vermelho) já no próximo boletim.

Com todos esses dados alarmantes e falta de leitos de terapia intensiva (UTI) diminuindo dia-a-dia, foi levantado a possibilidade de novos leitos e instalação de novos Leitos Clínicos Covid (LCC) na região.

O hospital Santa Otília de Orleans(18 LCC), o Hospital Nossa Senhora da Conceição de Urussanga (30 LCC) e o Hospital São Roque de Morro da Fumaça (44 LCC),  irão manter os Leitos Clínicos de Covid.

Ficou definiu também pela abertura de 10 novos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital de Retaguarda do Rio Maina em Criciúma e a reabertura de 10(UTI) no Hospital Regional de Araranguá.

No Hospital São Marcos de Nova Veneza, ficou descartada a abertura de leitos de UTI por necessidades de adequações que levariam mais tempo. Mas serão ativados mais 10 leitos de retaguarda.

Estiveram presentes na reunião o presidente da Amrec, prefeito de Orleans, Jorge Luiz Kock, secretários municipais de saúde, diretores de hospitais da região, representantes do Governo do Estado, coordenadoria regional de saúde e vigilância sanitária além da secretária de saúde de Urussanga Ingrid Zanellato.

Segundo a secretária de Saúde Zanellato estamos vivemos um momento delicado, o número de infectados é preocupante; o aumento dos números de casos de coronavírus em nossa região faz tomarmos novas medidas: “aqui em Urussanga, o hospital (HNSC) vai continuar dando este suporte (retaguarda) para leito clínico Covid-19 numa eventual transferência de outros hospitais”, finaliza Zanelatto.

À tarde, depois do encontro, parte da equipe esteve vistoriando o Hospital de Retaguarda do Rio Maina, onde se estuda a possibilidade de credenciamento para que o local atenda pelo Estado os pacientes em recuperação da Covid-19.

RELATED ARTICLES
- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments