Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

18 anos a espera de uma rádio em Siderópolis

A história da rádio difusão comunitária no município de Siderópolis iniciou em 1998, numa sala da igreja matriz. Um dos idealizadores foi o Pe Brás e os aparelhos comprados com a ajuda das comunidades, que simplesmente sumiram. Não existem registros e gravações da época, se sabe apenas que a programação era basicamente musical e que o funcionamento era de apenas algumas horas por dia. Em 2001, havia um programa sertanejo diário pela manhã. Sendo que o seu acervo musical de início era, na sua grande maioria, composta por CDs e discos doados pela comunidade. A presidente neste período era da professora aposentada Salete Michels. Com o nome de Associação Católica de Radiodifusão, a audiência foi aumentando e sua programação foi ampliada. Padre Nascimento foi um dos responsáveis pela abertura de espaço para que outras entidades ganhassem seus programas, como as pastorais, colégios e Igrejas. Programação em 2001: Manhã Sertaneja e Raízes do Sertão com Valdir Cavalo, Esportivos com Sandrini, Variedades com Ana Possoli, Momento de Saudade com Dirnei Santos, Boemia e Seresta com Renato Spezim, Mi Son da Bellun com Nalzoir Neoti, Hora da Ave Maria com as Freiras, Pergunte ao Prefeito com Valdir Cavalo, Sociais com Albani Soratto, Pastoral da Criança com Marcelina, Transmissão da Missa da Saúde, Transmissão da Reunião da Câmara Municipal de Siderópolis. Após a assembleia geral de fundação da Associação Católica de Comunicação de Siderópolis, foi reunida a documentação necessária para a regulamentação da rádio. Mas o nome assumia um vínculo religioso, o que seria permitido, e a autorização da outorga foi negada. Em 2004, o nome da associação foi alterado para Associação de Radiodifusão Comunitária de Siderópolis. E novamente reunidos os documentos para tentar ganhar a outorga do Ministério das Comunicações. Durante todo esse período a Rádio Comunitária continuou em funcionamento, sendo fechadas seis vezes pela polícia federal. Ela contou com o apoio constante dos padres e irmãos Ângelo e Arcângelo Buss, grandes defensores dos movimentos de rádio comunitária na região. Além dos problemas externo a rádio também passou por dificuldades internas. Depois de um desentendimento entre o coordenador e o padre, ele mudou de endereço. Saiu da sala da matriz e foi para uma casa alugada na Avenida Dom Luiz Orione, 366. O coordenador levou toda a aparelhagem adquirida com a colaboração das CAEPS. Depois funcionou na COHAB, com sede própria, terreno doado pela prefeitura e colaboração da sociedade, através de doações, para compra de materiais de construção. O coordenador acabou vendendo, o local que havia sido projetado para a futura rádio em Siderópolis. “Sem qualquer explicação, o coordenador achou no direito de vender o imóvel que pertencia à sociedade”. Hoje, o local é usado como moradia de uma família da comunidade. Alguns vereadores prometeram iniciar a apuração dos fatos sobre a venda do imóvel.
Em 2011 o Ministério das Comunicações contemplou Siderópolis com publicação no diário oficial da união com direito a ter uma rádio comunitária em Siderópolis.
Três associações demonstraram interesse, e apenas duas conseguiram enviar as documentações para dar prosseguimento no processo.
Em 2012 a Associação Comunitária Rádio Sidera foi denunciada, mas com as denuncias sem fundamento o processo segue. Já com a concorrente denunciante ficou provado que com a ajuda de dois sideropolitanos, a associação concorrente estava irregular, pois cometeu dois erros, onde o presidente da associação não reside em Siderópolis e o outro que a sede da rádio pretendida era uma igreja, sendo assim o processo foi indeferido definitivamente, justiça feita, agora aguardado o andamento do processo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *